Os libaneses são conhecidos pelo seu espírito empreendedor e a sua economia tem resistido a inúmeras guerras. O setor empresarial, ao criar empregos é um eixo fundamental para a estabilidade política, econômica e social. No entanto, no Líbano existem empresas que visam não somente o lucro mas também têm um caráter social. O empreendedorismo social assume como objetivo central a melhoria da qualidade de vida e o bem-estar individual e coletivo.

Nesta edição, a CB apresenta Sarah´s Bag, uma empresa libanesa de renome internacional na área de bolsas e acessórios de desenho fabricados de formal artesanal. Os seus produtos são um exemplo do estilo, criatividade e empreendedorismo social libanês. Celebridades como a rainha Rania da Jordânia ou Amal Clooney, são frequentemente vistas com os seus produtos os quais são conhecidos por serem coloridos, imaginativos e com um toque moderno do Oriente Médio. As principais revistas de moda regularmente selecionam os seus produtos como peças “must have”. O que é excepcional sobre esta empresa, é o fato de ser fruto de um desejo de desenvolver as competências de mulheres presidiárias marginalizadas.

Tudo começou em 1998 quando a diretora e fundadora, Sarah Beydoun, fazia o seu mestrado e conheceu mulheres presidiárias. “Esta experiência me impactou profundamente. Daí surgiu o desejo de começar um negócio que iria ajudá-las a construir uma vida melhor”. A sua empresa apostou na capacitação destas mulheres enquanto artesãs e deu a elas um emprego com salário. Ter uma renda significou recuperar a confiança em si mesmas, valorizar-se e a longo prazo reintegrar na sociedade. Hoje, esta empresa de carácter é social é um fenômeno de moda. Ela emprega não apenas as presidiárias, mas também 150 mulheres marginalizadas no Líbano. Elas costuram, fazem crochê, bordam inúmeras peças que se tornam ícones da moda em todo o mundo.

Beydoun salienta que no início, o maior desafio foi assegurar que um programa social para reabilitar mulheres presidiárias funcionasse de forma produtiva e atingisse os objetivos comerciais de uma marca de moda que lança duas coleções por ano. Beydoun acrescenta: “quando eu confeccionei os primeiros sacos tive que gerir o fato de várias mulheres prisioneiras se encontrassem traumatizadas e deprimidas, uma situação que afetava a eficiência da produção requerida. Com o tempo nos tornamos uma equipe. Apostamos nestas mulheres e acreditamos que elas podiam ser artesãs de confiança que produzem artigos de alta qualidade e cumprem com as datas de entrega ”.

Como um emprego e um ordenado afeta irreversivelmente a vida destas mulheres? São muitas as histórias, mas realçamos aquela da artesã que foi injustamente acusada de assassinar o seu marido. Com o seu salário, ela tem a oportunidade de contratar um advogado para reabrir seu caso, anular a sentença e ajudá-la a recuperar sua liberdade. Há também a história da jovem artesã cujo noivo a enganou e obrigou a assinar documentos oficiais que a faziam responsável por todas as suas dívidas contraídas. Uma história de amor que acaba na cadeia. Esta mulher a qual chamamos Hayat, começa a trabalhar para a empresa Sarah´s Bag e logo se destaca pelo seu espírito trabalhador e talento da área dos bordados. Dentro da prisão tornou-se a mestre artesã e se tornou a responsável da linha de sacos de caligrafia árabe. Depois de cumprir a sua sentença, Hayat sai da prisão e tornou-se a líder de uma equipe e treinou outras mulheres da sua aldeia. Hayat é um exemplo de como se pode superar o estigma associado a ex-prisioneiras, pois ela passou a ser considerada pela sua comunidade como alguém que proporciona emprego e salários para as famílias. Uma inspiração!

 

Mulheres que ajudam outras mulheres! Uma das missões fundamentais desta empresa é incentivar as artesãs mestres a ensinar a sua técnica a outras mulheres e formar equipas especializadas em diversas competências de costura nas suas comunidades. Desta forma as  mulheres tornam-se líderes e passam a ser membros respeitadas da sua comunidade.

Bayoun incentiva outros e outras a se lançarem no empreendedorismo social, uma vez que através dele pode-se ter um impacto positivo na comunidade, gerar prosperidade e ao mesmo tempo enfrentar questões sociais. Ela acrescenta: “Os consumidores de hoje estão cada vez mais preocupados com quem fez os produtos que compram, em que condições e qual o impacto que têm sobre o meio ambiente. É por isso que a meu ver, as empresas sociais são realmente o modelo de negócio do futuro “.

Por trás de cada produto há mulheres reais, e cada uma tenta mudar a sua história de vida para melhor. Os produtos, além de serem lindíssimos representam o combate contra o estigma em torno das mulheres marginalizadas. Veja o site da Sarah´s Bag e com certeza você irá se apaixonar.

Por Patrícia Oliveira

This post is also available in: enEnglish (Inglês)