Uma palavra que gera medo em alguns, e em outros, é sinônimo de recomeço e aprendizado.

Como lidar com as mudanças em nossas vidas, ao decidir viver em um novo e diferente país, longe de familiares e amigos? Como se adaptar (ou se readaptar) às diferenças culturais, climáticas, sociais, gastronômicas e religiosas, de uma nação para outra?

 

Tudo vai depender de como você reage e enxerga a nova situação, da sua postura diante do novo e do desconhecido, e da sua predisposição para um recomeço. Além, claro, das mudanças interiores à que você estará sujeita, inevitavelmente, durante todo esse processo.

 

As mudanças nem sempre devem ser vistas de forma negativa, afinal, elas nos trazem novos aprendizados, novos conhecimentos, novas experiências, amadurecimento, nos permitem conhecer pessoas, coisas e lugares novos. Com as mudanças, ainda aprendemos mais sobre respeito próprio e respeito ao próximo, e o respeito pelo diferente e desconhecido. Aprendemos ainda, a testar os nossos próprios limites, a descobrir novos horizontes a serem explorados, além de nos tornarmos pessoas melhores em sociedade.

 

Toda mudança nos força a exercer a nossa capacidade de readaptação, de readequação, de reciclagem interna e, às vezes, até externa. Porque quando reconhecemos que não estamos num lugar estranho, mas somos um novo estranho naquele lugar, a nossa visão de tudo se transforma, quase que de forma instantânea; e isso nos facilita a compreensão de quase todas as coisas, a princípio tão assustadoras.

 

A interatividade com os nativos locais, com seus hábitos, costumes, tradições, com sua cultura, religião, gastronomia, mentalidade e comportamento em sociedade, possui dois polos (como tudo na vida): o polo negativo e o positivo.

 

A mudança para um novo país, inicialmente, pode nos proporcionar algumas dores, tristezas, decepções, críticas e comparações, com tudo aquilo com que já estávamos familiarizados, e que nos parecem ser apavorantes e impossíveis de suportar, ou acostumar.

 

Mas com o tempo, a mudança também nos permite aprender, compreender e conhecer coisas e lugares novos, a conhecer novas pessoas. Pessoas, que com o tempo vão nos trazer alegrias, vão nos auxiliar em nossas conquistas e aprendizado, e vão celebrar ao nosso lado, os nossos momentos difíceis e também os momentos especiais.

 

São essas pessoas, e a nossa disposição de abraçar o novo e o desconhecido, que nos ajudarão no nosso processo de adaptação à mudança de país, e a um novo recomeço. Não tenha medo, encare a mudança e o recomeço, como uma nova e maravilhosa jornada em sua vida. Se abra para o novo e desconhecido, sem medo de ser feliz, porque no final, tudo é aprendizado.

 

Por Tamara Vizioli

 

 

 

 

 

 

This post is also available in: enEnglish (Inglês)