IMG_8097

 

Bernard Renno é um dos grandes nomes do patrimônio artístico libanês. Com uma produção de mais de 6.000 pinturas – sendo 3.000 delas espalhadas por todo o mundo – ele é um pintor ativo, que também é membro de várias associações e sindicatos.

Vindo de uma longa linhagem de artistas, sua paixão pela arte vem de seu pai, que também era um artista. “A obsessão de arte é de família”, diz Renno. Porque seus outros três irmãos são pintores também. Ele começou a pintar muito cedo na vida, e depois de receber seu primeiro prêmio – uma das muitas que ele possui em seu atelier em Dbayeh – então com 10 anos, ele nunca parou.

IMG_8098O ateliê do Sr. Bernard Renno “Vestígios d’Orient” fica localizado no bairro de Debayeh. Existem três escritórios no Líbano, incluindo o museu da família em sua cidade natal Deir El Qamar, uma aldeia perto de Beiteddine, além do ateliê em Gemayzeh, que foi o primeiro em 1985.

 

IMG_8092Bernard Renno, 55 anos, casado com um filho e uma filha, que agora é uma designer de interiores. Ele conheceu sua esposa, uma de suas ex-alunas, enquanto ensinava em sua academia de artes Michelangelo, localizado na área de Sodeco em Beirute.

Além da pintura, ele também é formado em Arquitetura pela Universidade Espírito Santo de Kaslik (USEK) e em Interior Designer pela Academy of Arts Michelangelo em Beirute, onde foi diretor entre 1988 a 2013. Entre outras qualidades, ele também ensinou a arte de desenhar jóias, esculturas e vários outros tipos de artes.

Sr Renno realização exposição de suas obras no México, Malásia, Arábia Saudita, França, Letônia, e em muitos lugares em todo o Líbano. Entre 11 e 13 de setembro deste ano, ele estará exibindo sua exposição no museu Palais de Congrès, em Paris. No mês passado, ele ofereceu uma de suas pinturas – uma combinação de elementos de culturas brasileira e libanesesa – como um presente para o Centro Cultural Brasil Líbano. A pintura é a capa real do livro de Luciano Aschkar, um advogado brasileiro que é um dos grandes amigos do Sr. Renno. O próximo livro do Sr. Luciano Aschkar terá como capa outra pintura do pintor Renno agora sobre Baalbeck.

IMG_8125 IMG_8124

 

 

 

 

 

 

Ele passa as férias todos os anos na Europa, sempre à procura de locais onde ele possa melhorar seu conhecimento e criatividade. Ele também é o Adido Cultural da Letônia, e ele é um grande entusiasta do país, onde recentemente comprou um imóvel e pretende passar mais tempo por lá.

O artista acredita que sua inspiração venha de Deus. Ele não copia nada e só usa um modelo ou uma imagem, se for um retrato. Sua alma e criatividade são claramente refletidas em cada uma de suas pinturas. “Eu não sou uma máquina”, enfatizou, “e eu quero que o público veja meu coração e alma no meu trabalho artístico.” Ganhar dinheiro não é sua prioridade, embora o dinheiro seja importante para pagar as despesas e proporcionar uma boa vida para a minha família “, acrescentou. Seu sonho é ver o seu trabalho se espalhar mais e mais em torno do mundo “, e não para ser uma pessoa esnobe rica”, concluiu.

 

IMG_8086 IMG_8084

 

 

 

 

 

Sua técnica, chamada “BRennoism”, é um “misto de Bernard Renno e impressionismo”, explica. Ele criou uma nova tendência na pintura preparando uma textura especial para sua tela nos três dias anteriores da pintura real. Materiais recicláveis como​​- papéis, papelão, madeira, garrafas de vinho – também foram incorporados ao seu trabalho, em especial quando ele faz esculturas. O Líbano é uma temática constante em suas pinturas, da aldeia bucólica às áreas movimentadas de Beirute, como o centro da cidade e Hamra.

IMG_8082IMG_8132 IMG_8104

 

 

 

 

 

 

 

No final da entrevista, o Sr. Renno convida brasileiros e libaneses para assistir seu show ao vivo em “como fazer uma nova criação em uma hora e meia”. Ele está surpreso com o fato de que o Brasil tenha a maior diáspora libanesa no mundo, cerca de 10 milhões de libanês-brasileiros. Ele brinca dizendo que ele poderia ter algum familiar no Brasil … Quem sabe?
IMG_3112 IMG_7443

 

 

 

 

 

 

 

 

por Ana Letícia Medeiros

por Ana Letícia Medeiros

by Viviane Carvalho

por Viviane Carvalho

 

 

This post is also available in: enEnglish (Inglês)