image-4Os festivais de verão no Líbano abrem suas cortinas com um roteiro musical e espetáculos diversificados e atraentes nas cidades de Baalbek, Biblos, Beiteddine… O Líbano, um país que não pára com seu povo vibrante de alegria.

Dia 31 de julho foi a abertura suntuosa do Festival Internacional de Baalbek, que acontece nas majestosas ruínas dos maiores templos romanos da região, Júpiter, Baco e Vênus, classificado como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO,  na cidade de Baalbek, localizada na planície do Vale do Bekaa, nordeste do Líbano.

A abertura do festival de Baalbeck foi com o fabuloso espetáculo poético e musical chamado “Ilik ya Baalbek “ (Para você Baalbek), em homenagem a antiga cidade, as suas colunas colossais e milenares.

O espetáculo foi   composto por grandes nomes libaneses, poetas, músicos, cantores, dançarinos que brilham o nome do Líbano no mundo, entre outros : Gabriel Yared, Wajdi Mouawad, Salah Stetié , Adonis, Zaf Moultaka…

Gabriel Yared, disse : « “Ilik ya Baalbeck “ é um ato de resistência face a violência. Essa ruína milenária e misteriosa desafia o tempo e o espaço, e por minha participação neste magnífico projeto , eu afirmo minha determinação completa nesta resistência cultural.. Apesar de meu exílio, eu me sinto sempre bem próximo do Líbano e de seu patrimônio cultural e natural, que me são extremamente caros ».

IMG_7709 IMG_7692Baalbeck, cidade não distante da fronteira síria, onde os combates não cessam com a guerra que destrói a Síria e que por conseqüência abala,  estes últimos anos, o solo libanês e a realização do Festival de Baalbeck, por razões de segurança. Mas o Festival de Baalbeck não se deixa abater e mantém uma programação de qualidade, mesmo dentro de um ambiente difícil, mas com todo o impulso da presidente do festival, Nayal de Freige e sua comissão.

O Festival de Baalbeck, é uma arte que transforma a cultura em resistência. Fundado em 1955 e declarado oficialmente Festival Internacional de Baalbeck em 1956 pelo presidente da República do Líbano, Camille Chamoun (1952-1958). Em 2016 o festival completará 60 anos. Após a fundação, o festival passou a ser uma instituição governamental administrado por doze membros voluntários, cuja missão é de promover a vida cultural e turística do Líbano, favorecer os intercâmbios culturais e um espaço para as apresentações de artistas locais, regionais e internacionais. Inicialmente o festival foi criado  para a promoção da música e depois foi evoluindo e passando além da música clássica, jazz e ópera, também a música contemporânea, teatro, performances e dança.

O Festival de Baalbeck, é o primeiro mais prestigioso e pluridisciplinar festival do Oriente Médio, que conheceu o esplendor nos anos 1960-70, com grandes nomes do mundo artístico, como : Oum Kalsoum, Béjart, Le Bolchoi, Karajan, Feyrouz, irmãos Rahbani, Grupo Caracalla, as noites libanesas… No entanto, durante a guerra civil libanesa (1975-90) o festival foi interrompido e renasceu 22 anos depois no local onde a violência e a destruição reinaram.

Em 1997 o primeiro a re-abrir o festival de Baalbeck foi Mistilslav Rostropovitch com seu violoncelo sob as estrelas de Baalbeck, e em seguida, mesmo com as crises política, econômica…, os  organizadores do festival trouxeram e trazem grandes nomes artísticos para se apresentarem diante da acrópole romana, da cidade do Sol, Heliópolis, tais como : o tenor Roberto Alagna e também o som e idioma português vibraram as colunas de Baalbeck com Gilberto Gil e o Grupo Corpo do Brasil.

Este ano, 2015 o programa do Festival Internacional de Baalbeck , apresenta:

31 de julho – Ilik Ya Baalbeck /

16 de agosto – Richard Bona /

21 de agosto – Mayada El-Hennawy /

29 de agosto – The Earth Wind &Fire Experience /

30 de agosto – Quatuor Modigliani.

Maiores informações:http://www.baalbeck.org.lb

Esta diversidade cultural, uma das especificidade do Líbano, o faz conhecido na região e no mundo. Este é o Líbano, um país de contrastes e afluentes. IMG_7677

by Roberto Khatlab

por Roberto Khatlab

This post is also available in: enEnglish (Inglês)