No Oriente o banho é uma festa e o sabão – em árabe, Sabbun – é um prazer dos sentidos. A tradição da fabricação do Sabão Oriental se perde no tempo com seus aromas de essências de plantas naturais, variadas formas e cores, para a limpeza do corpo, uma das bases da fé no Oriente, e suas múltiplas especificações terapêuticas.

Sabe-se que a fabricação do sabão oriental no Mediterrâneo é uma tradição  e que foi encontrado registros em Tabletes de cerâmica da época dos sumérios, datando de 4.500 anos atrás.  O médico grego Galien menciona em seus escritos do século II a.C a fabricação de sabão em forma líquida. No entanto, o sabão duro, em pedra, nasceu no Oriente no século VIII. As cidades de Trípoli e Sidon, no Líbano, Alepo, na Síria e Naplusa, na Palestina eram conhecidas fabricantes de sabão, tradição que só chegaria ao Ocidente no século XII, com as primeiras fábricas de sabão na Espanha e na Itália. A rota da seda do Oriente e a passagem dos Cruzados foram os grandes meios de divulgação do sabão oriental em diversos portos do mundo.

O método de fabricar o Sabão Oriental natural e artesanal exige paciência e força de espírito. É uma tradição transmMuseu do sabao Sidon Libano sulitida há séculos de pai para filho, um segredo guardado a sete chaves. Os amantes da fabricação de sabão natural misturam sabiamente na caldeira a matéria oleosa – óleo de oliveira e bagas de louro – até transformá-la numa substância alcalina e obter um melado verde, momento no qual adicionam as essências naturais para dar aroma à substância. Em seguida, esses artesãos colocam a mistura em grandes bacias retangulares onde o sabão lentamente e à temperatura ambiente, solidifica-se.

Com a massa já sólida, o artesão a corta em pequenas peças quadradas e estampa nela o seu carimbo. Em seguida, empilha as peças de sabão em forma de pirâmides para que elas assim permanecem  algum tempo ao ar livre no qual secarão naturalmente antes de serem colocadas à venda. Além da forma quadrada do sabão existem modelos esculpidos a mão em diversas formas, bolas, flores, retângulos…

A particularidade do sabão oriental é que ele é composto essencialmente de óleos de oliveira e de louro, que trazem efeitos benéficos à pele, que não são alérgicos nem provocam reações cutâneas. Para enriquecê-lo, cosaboes orientaism o passar dos séculos, foram sendo acrescentado outras essências puras extraídas de diversas plantas selecionadas pela suas virtudes aromáticas, terapêuticas e por diversas flores do oriente, dando assim ao sabão oriental o perfume e a textura.

Assim surgiram vários tipos de sabão oriental, para ocasiões e situações especiais. O Arayees, em forma de bola e composto de essência de água de rosa, é tradicional para a recém-casada. Aromatizado com anis, o sabão é ideal para a pele gordurosa; com santal, para problemas dermatológicos; composto de árvore de chá, ajuda a acalmar as picadas de insetos; aromatizado com âmbar, revitaliza o organismo cansado; composto de flor de laranja, realça a cor da pele; composto de mel ou trigo, elimina as impurezas e amacia a pele.

O sabão oriental é elaborado com cuidado particular para que seus ingredientes sejam exaltados e mesmo sua forma é estudada. A pele absorve as essências do sabão, que penetram profundamente no corpo e provocam uma magia dos sentidos, principalmente no tradicional ritual dos banhos orientais – o Hammam.

Até hoje os sabões fabricados em Trípoli, no norte do Líbano  e Sidon, no sul do Líbano, são uma grande atração turística e disputados em todos os Oriente Médio pelos consumidores mais exigentes. Interessante visitar a fabrica de sabão em Trípoli e  a fabrica e o Museu do sabão em Sidon, que é uma antiga fábrica de sabão datada do século XVII, onde pode  também encontrar  para comprar uma grande vareidade de sabões orientais, vestes e utensílios usados nos rituais de banho orientais (hammam).

 

por Roberto Khatlab

Líbano, um oásis no Oriente Médio, guia turistico e cultural, de Roberto Khatlab, editora Dar Saer Mashrtek, Beirute, Libano.

Fotos: Sabões orientais – Museu do sabão, Sidon, Líbano sul

This post is also available in: enEnglish (Inglês)